Bem-vindos ao Bairro Estrela D'Ouro

Situa-se na freguesia da Graça, próximo ao Largo de Sapadores e as suas entradas atuais situam-se na Rua da Graça, próximo ao nº24 e na Rua Srª do Monte pelo nº14. Fazem parte do Bairro Estrrela D'Ouro, a Rua Josefa Maria, Rua Virginia, Rua Rosalina e Rua Serra Vidal.

A aquisição dos terrenos e construção do Bairro Estrela D’Ouro remonta ao início do século XX e é um dos exemplos do espírito empreendedor da comunidade galega em Lisboa.

O lote original dispunha de uma moradia com decorações pictóricas de Arte Nova e que serviu de habitação original ao proprietário  Agapito Serra Fernandes e da sua família, convertendo no período de 1905 a 1909 os terrenos sobrantes no atual Bairro, destinados aos empregados de comércio da Baixa.

A moradia também sofreu alterações para albergar a numerosa família, sendo considerado como autor do projeto, o arquiteto Norte Júnior.

Posteriormente, Agapito Serra Fernandes acrescentou ao Bairro o lote da Companhia dos Ascensores de Lisboa, conhecida como "Vila nova" e que corresponde ao antigo cinema Royal Cine e Rua Serra Vidal.

Agapito Serra Fernandes dedicou-se a várias atividades económicas a título individual ou associado, nomeadamente na exploração da fábrica de biscoitos Confiança, a já indicada Companhia dos Ascensores de Lisboa, Herdade Estrela D'Ouro (Ribatejo), Restaurante Estrela D'Ouro (Rua da Prata, Lisboa) e cinema Royal Cine onde foi projetado o primeiro filme sonoro em Portugal.

A nossa equipa está à sua disposição!

Pode encontrar-nos na Rua Josefa Maria 17, Graça, Lisboa | 00351218872979 | vidal.arcd@gmail.com

atualizado em 2012.09.28

CINE ROYAL

Agapito Serra Fernandes envolver-se-ia ainda em outros empreendimentos de natureza comercial, de que a constituição da Empresa Royal Cine Lda. é exemplo: aos restaurantes que já possuía, juntará agora um cinema, para tanto entregando ao arquitecto Norte Júnior a tarefa de conceber uma sala de cinema - o Cine Royal, exibindo na fachada o "selo" do seu proprietário, é inaugurado no Natal de 1929 como cinema de estreia, programa usualmente circunscrito às salas do centro da capital: oferecia ao público uma sala com espaço para orquestra e com capacidade para 900 lugares, contando com 1ª e 2ª plateias e um balcão a descrever um "U", localizando-se os camarotes lateralmente; 1930 - a 5 de Abril é exibido o filme Sombras Brancas nos Mares do Sul, de Van Dyke, apresentado pela Metro-Goldwin-Mayer, deste modo estreando o Cine Royal o seu equipamento sonoro com aparelhos da Western Electric, o primeiro da cidade a dispôr de semelhante inovação, devidamente distinguido e premiado com a presença do Presidente da República que à sessão inaugural assistiu (...).

Adaptado de Filomena Bandeira, 1999, SIPA

Sondagem

Encontrou a informação que pretendia?

Sim, encontrei o que pretendia. (48)
86%

Não encontrei o que queria. (8)
14%

Total de votos: 56

Novidades

APARTAMENTOS PARA ALUGAR

25-09-2012 00:25
Rua Josefa Maria 18, Cave F - 375,00 Euros Apartamento T2, recentemente remodelado, constituido...

Perguntas e Sugestões

23-09-2012 18:02
Gostaria de saber mais sobre os nossos serviços? Por favor, não hesite em contactar-nos. Estamos ao...

História das Amêijoas à Bulhão Pato

Bulhão Pato foi um escritor do Séc. XIX que memorializou com uma grande paixão vivencial a vida portuguesa da sua época, através de um quotidiano passado nas mesas de cafés e restaurantes da capital, onde mantinha acaloradas discussões com proeminentes figuras publicas das artes e da politica nacional, sobretudo através de uma prosa literária, que o tornaram bastante popular nessa época em que se assistia aos acontecimentos revolucionários da "Maria da Fonte".
 
Gostava de caçar e era grande amante da arte gastronómica, como o comprovam algumas receitas que nos deixou escritas no célebre: "Cozinheiro dos Cozinheiros", do mestre Paulo Plantier, a pedido do mesmo.
 
Foi frequentador das mais famosas casas de Lisboa do Século passado, mas terá sido, segundo Alfredo de Morais, num restaurante da Rua da Bela da Rainha (actualmente Rua da Prata), mais precisamente no restaurante "Estrela de Ouro", que nasceu esta receita com o nome do escritor.
 
Não foi invenção sua, mas sim de um cozinheiro que aproveitou para o homenagear enquanto bom apreciador deste prato, provavelmente como forma de agradecimento aos elogios que Bulhão Pato proferia às suas confecções culinárias. Estes bivalves eram na época muito apreciados, constituindo uma iguaria bastante requintada para as mesas dos lisboetas.
 
Adaptado de " A Cultura Gastronómia em Portugal"